10
jan
2009
Poetando com Carlos Drummond de Andrade


 

 

AMAR

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.


– Carlos Drummond de Andrade

Por quê?

Por que nascemos para amar, se vamos morrer?
Por que morrer, se amamos?
Por que falta sentido
ao sentido de viver, amar, morrer?







9
jan
2009
Sempre fica um pouquinho de nós


De tudo o que vivemos na vida , fica um pouco. Ficou um pouco de saudade de nossa mocidade, das brincadeiras , da falta de compromisso, dos dias de festa. Ficou um pouco de saudade de amigos de Faculdade, amigos que lutaram e venceram conosco. Sempre fica em nossa memória a saudade de algo, saudades do tempo em que iniciamos no trabalho, dos dias em que começamos na nossa profissão, quantos medos, incertezas. Quantos sonhos!! Alguns concretizamos, outros não. Sempre fica um pouquinho de nós em cada amizade, em cada relacionamento, em cada etapa que vivemos. Choramos, crescemos, amadurecemos e olhamos a vida e as pessoas de um novo ângulo, numa nova pespectiva. Vocês concordam comigo??  Acontece assim com vocês?? Sempre fica em nossas vidas e memórias um pouquinho de cada coisa vivida.

” O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos  lábios vem do Senhor.

Confia ao Senhor as tuas obras, e os teus pensamentos serão estabelecidos.” Provérbios 16 de 1 a 3







9
jan
2009
Poetando com LYA LUFT


Guardei-me para ti como um segredo
Que eu mesma não desvendei:
Há notas nesta guitarra que não toquei,
Há praias na minha ilha que nem andei.
É preciso que me tomes, além do riso e do olhar,
Naquilo que não conheço e adivinhei;
É preciso que me ensines a canção do que serei
E me cries com teu gesto
Que nem sonhei.

“Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, mas alguma vez aquieta  a ansiedade tem pés ligeiros, mas alguma vez resolve sentar-se à beira dessas águas. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um começo de sabedoria, e dói. Dói controlar o pensamento, dói abafar o sentimento, além de ser doloroso parece pobre, triste e sem sentido. Amar era tão infinitamente melhor; curtir quem hoje se ausenta era tão imensamente mais rico. Não queremos escutar essa lição da vida, amadurecer parece algo sombrio, definitivo e assustador. Mas às vezes aquietar-se e esperar que o amor do outro nos descubra nesta praia isolada é só o que nos resta. Entramos no casulo fabricado com tanta dificuldade, e ficamos quase sem sonhar. Quem nos vê nos julga alheados, quem já não nos escuta pensa que emudecemos para sempre, e a gente mesmo às vezes desconfia de que nunca mais será capaz de nada claro, alegre, feliz. Mas quem nos amou, se talvez nos amar ainda há de saber que se nossa essência é ambigüidade e mutação, este silencio é tanto uma máscara quanto foram, quem sabe, um dia os seus acenos.”


– Lya Luft







8
jan
2009
Povos em UNIDADE através da música


Maravilhoso como a arte, particularmente a música, une as pessoas. Nesse vídeo, vemos vários artistas de rua, cantando , tocando , de várias partes do mundo. Ali, naquele momento particular, não tem melhor nem pior. Simplesmente todos estão em um só ideal: Cantar!!!  Mostrar que, mesmo com dificuldades visuais, dificuldades em não se ter um equipamento adequado, um lugar próprio, eles estão em Unidade:  cantando.  Achei muito lindo esse vídeo para compartilhar com vocês. A música dissipa as diferenças, une corações, soma ideais.  Ali, não vemos ninguém querendo cantar melhor, ou se mostrar, mas há UNIDADE. Que maravilha se vivessemos TODOS em UNIÃO .Vejam com paciencia e depois comentem o que acharam. Beijos

” Oh! Quão bom e quão suave é , viverem unidos os irmão” Salmo 133: 1







8
jan
2009
JANEIRO é tempo de POESIA


E esse olhar casual foi a origem de um cataclismo de amor que meio século depois não tinha terminado ainda.

– Gabriel Garcia Marquez in “O Amor no Tempo do Cólera”

    Se tu me amas,
ama-me baixinho.

Não o grites de cima dos telhados,
deixa em paz os passarinhos.

Deixa em paz a mim!

Se me queres,
enfim,

…..tem de ser bem devagarinho,
…..amada,

…..que a vida é breve,
…..e o amor
…..mais breve ainda.                               –  Mário Quintana

  Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.
– Pablo Neruda –

 

Como dizia o poeta
Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não
Não há mal pior do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão
Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer
Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão
Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada, não

– Vinícius de Moraes –

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...