12
out
2012
Mágoas no casamento? Livre-se delas


Em todo relacionamento humano existe a possibilidade de as pessoas se magoarem mutuamente.São várias as razões para isto, dentre elas estão as expectativas frustadas(sejam elas certas ou não), ingratidão, insensibilidade,falta de cumplicidade, pontos de vista diferentes, traição,agressão, etc…As relações humanas,funcionam por reação, isto é, reagimos às ações dos outros e, muitas vezes, tais ações são contrárias ao que esperamos, então surge a possibilidade de mágoa. E quando a mágoa chega,a tristeza a acompanha.
Num relacionamento conjugal,esta possibilidade é potencializada , pois dada a intimidade do casamento, as chances de magoar e ser magoado são muito grandes.
O ideal é listar as razões que magoaram e tratar delas com honestidade e clareza,eliminando-as de uma vez para que não sejam recalcadas e adoeçam o casamento. Bom é que os casais adquiram maturidade tal que tão logo alguma coisa que magoe aconteça,seja imediatamente tratada e eliminada.

Agressões Verbais

As agressões verbais,estão muito presentes num relacionamento conjugal,elas magoam e adoecem o relacionamento .

Insensibilidade
A insensibilidade é outra forma de magoar.Ela funciona como um isolante. O casamento dado os desafios que enfrenta,precisa contar com uma boa dose de empatia por parte dos cônjuges.

Indiferença

Muito parecida com a insensibilidade, a indiferença é quando o cônjuge percebe o que o outro está percebendo, mas não se importa com o sentimento do outro. A indiferença também provoca muitas mágoas no casamento.

Falta de atenção

É impressionante como algumas pessoas,saem de “atenção total” para “atenção nenhuma”

Dar atenção,significa ficar atento ao outro, atender suas necessidades, cuidar, proteger, assistir,defender, ouvir os gemidos de sua alma e tentar atendê-los.Dar atenção é zelar para que o outro tenha uma boa vida.


** Continuaremos com esse assunto no próximo post.


Escrito pelo pastor Nataniel Sabino

Terapeuta de família e professor de Terapia Familiar na EsPARJ.







9
set
2012
Belezas poéticas de Rubem Alves


Rubem Alves

Rubem Alves

Os poetas sabem que a alma não deseja ir para a frente. A alma é movida pela saudade. A saudade não deseja ir para a frente. Ela deseja voltar.
Andar para a frente pode ser um equívoco.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– O Deus Menino”

A aparência é de um homem solidamente plantado neste mundo. Mas não é verdade. Seu coração e sua cabeça movem-se de acordo com uma lógica estranha de um outro mundo que só ele vê.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Em defesa da Vida”

Riobaldo de novo: “Toda saudade é uma espécie de velhice.” Velhice não se mede pelos números do chronos; ela se mede por saudade.
Saudade é o corpo brigando com o chronos. De novo o mesmo poema de Ricardo Reis: ele fala do deus atroz que os próprios filhos devora sempre”. Chronos é o deus terrível que vai comendo a gente e as coisas que a gente ama. A saudade cresce no corpo no lugar onde chronos mordeu. É um testemunho da nossa condição de mutilados – um tipo de prótese que dói.
Kairós mede a vida pelas pulsações do amor. O amor não suporta perder o que se amou.
Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Um caso de amor com a vida”

Lembrei-me das palavras tristes do Vinicius no seu poema O haver, em que fala da “sua inÚtil poesia”. Sinto assim de vez em quando, que aquilo que escrevo é inútil. Os que têm poder nem lêem, e se lêem não levam a sério.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Em Defesa das Árvores”







9
set
2012
Domingo é Dia de Poesia
Categorias: amizade, Amor, Poesia


Recolhi, algumas belezuras do Blog de Cá Morandi e, posto aqui para vocês com alegria. Essa menina escreve com a alma e fala ao nosso coração. Confiram vocês mesmos:

Um coração não pode esperar

penso no amor
e uma lembrança antiga
me traz o seu rosto.
Pela urgência do amor
esquecemos de vivê-lo
damos a ele um tempo
que não pode ser dado:
tempo irrecuperável,
intransferível.
Um coração não
pode ficar para outro dia,
outra hora, outra vida.
.
.
(Cáh Morandi)

Além do riso

era como ele me fazia rir
não o riso, mas era como
ele me afundava as mãos
e me torturava de cócegas
nunca foram as gargalhadas
era essa maneira única em
que ele me tirava todo ar
e me matava por um triz
era como me fazia tão feliz
antes e depois de um sorriso

(Cáh Morandi)

Todos os dias

Penso em você todos os dias
às vezes mais, às vezes menos
algumas vezes nos pensamentos antes de adormecer
outras nas correrias do dia-a-dia
mas só para você saber, sempre penso
talvez mais do que eu tenho suportado
pois a ferida começa a arder, sufocar
não sei o que fazer com os beijos,
não sei o que fazer com os planos,
não sei o que fazer com as fotos,
não sei o que fazer com as poesias,
sopra um vento frio, queria que você viesse
queria mais um minuto nos seus olhos
queria te fitar de novo até adormecer
queria acordar mais uma vez no seu abraço
e fazer caretas com o guardanapo…
as coisas tolas são as que mais ficam,
o importante sempre é passageiro,
mas a gente nunca nota, não é?

Embora você tenha ido, arranjou um jeito de ficar.

** Visitem o lindo blog da poetisa : Cáh Morandi







18
ago
2012
Maravilhas de Carlos Drummond de Andrade


Definitivo

Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções
irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado
do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter
tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que
gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.
Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas
as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um
amigo, para nadar, para namorar.
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os
momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas
angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.
Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.
Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma
pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.
Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um
verso:
Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento,perdemos também a felicidade.
A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional…

[Carlos Drummond de Andrade]







17
ago
2012
Que segurança!!!
Categorias: Amor,


Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel. Salmos 91:4

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...