5
jul
2009
Domingo é Dia de Poesia


Quem não gosta de falar de amor? Eu adoro!!! Ler poesias, textos, músicas, tudo o que encanta e nos faz sonhar.  Todos nós gostamos de ouvir palavras que tocam lá dentro do coração. E domingo sendo um dia especial, é dia de poesias. Temos autores maravilhosos, nos encantam, nos deixam extasiados. Pensando nisso, escolhi alguns bons poetas para todos nós.  Espero que se maravilhem com essa seleção:

Se tanto me dói que as coisas passem
É porque cada instante em mim foi vivo
Na busca de um bem definitivo
Em que as coisas de Amor se eternizassem
.
Sophia de Mello Breyner Andresen

Quando eu vi você
tive uma idéia
brilhante
foi como se eu
olhasse
de dentro de um
diamante
e meu olho
ganhasse
mil faces num só
instante
basta um instante
e um olhar vira
romance
.
Paulo Leminski

.
Ainda não estou preparado para perder-te
Não estou preparado para que me deixes só.
Ainda não estou preparado para crescer
e aceitar que é natural
para reconhecer que tudo
tem um principio e tem um final.
Ainda não estou preparado para não ter-te
e somente recordar-te.
Ainda não estou preparado para não poder ouvir-te
ou não poder falar-te,
não estou preparado para que não me abraces
e para não poder abraçar-te.
Ainda te necessito
e ainda não estou preparado para caminhar
pelo mundo perguntando-me…porque?
Não estou preparado hoje nem nunca estarei.
Te necessito.
.
Pablo Neruda



Tenho um amor fresco e com gosto de chuva
e raios e urgências.
Tenho um amor que me veio pronto,
assim, água que caiu de repente, nuvem
que não passa.
Me escorrem desejos pelo
rosto, pelo corpo.
Um amor susto.
Um amor raio trovão fazendo barulho.
Me bagunça e chove em mim todos os dias.
.
Caio Fernando Abreu






2
jul
2009
Maravilha de Carlos Drummond de Andrade


Definitivo

Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções
irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado
do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter
tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que
gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.
Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas
as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um
amigo, para nadar, para namorar.
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os
momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas
angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.
Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.
Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma
pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.
Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um
verso:
Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento,perdemos também a felicidade.
A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional…

[Carlos Drummond de Andrade]







1
jul
2009
Em verso e prosa



GESTAÇÃO
.
tenho um
lirismo
dentro de mim
.
o que me dói
é não parir
poemas
.
(Adrianna Coelho)

Ah!!! Como eu gostaria de ter esse dom, construir poemas, escrever belos e envolventes poemas.Poder desnudar minha alma em forma de poesia.Admiro, aqueles que possuem esse dom, que rasgam o coração e dizem tudo de uma forma lírica.

ode à fuga

fugir às vezes é inventar estradas
em pleno pântano
e pontes sobre areia movediça.

.
(Adelaide Amorim)
Muitas das  vezes a gente foge mesmo, foge de uma situação que não consegue controlar. Foge de você mesmo.Foge dos problemas que vão surgindo, sem que você os tenha procurado.  Isso não é covardia, é ser realista, pé no chão, é  ouvir a razão.
Propósito
.
Viver pouco mas
viver muito
Ser todo o pensamento
Toda a esperança
Toda a alegria
ou angústia – mas ser.
Nunca morrer
enquanto viver
.

(Eunice Arruda)


Viver é muito bom!!! Viver com propósito é melhor ainda. Precisamos ter um propósito para nunca morrer, enquanto viver. Não importa se viveremos pouco ou muito, o que realmente interessa é que saibamos viver bem.

** Esses deliciosos poemas , encontrei em visita ao Blog Na dança das Palavras da amiga Leonor Cordeiro.







30
jun
2009
Fragmentos de Rubem Alves


Riobaldo de novo: “Toda saudade é uma espécie de velhice.” Velhice não se mede pelos números do chronos; ela se mede por saudade.
Saudade é o corpo brigando com o chronos. De novo o mesmo poema de Ricardo Reis: ele fala do deus atroz que os próprios filhos devora sempre”. Chronos é o deus terrível que vai comendo a gente e as coisas que a gente ama. A saudade cresce no corpo no lugar onde chronos mordeu. É um testemunho da nossa condição de mutilados – um tipo de prótese que dói.
Kairós mede a vida pelas pulsações do amor. O amor não suporta perder o que se amou.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– Um caso de amor com a vida”

Meu filho Sérgio, o que sofreu cólicas por seis meses, é médico e se especializou em anestesia. É possível que Freud explique. Nossos impulsos vocacionais têm raízes em lugares obscuros da alma. O que não acontece com as escolhas profissionais, que nascem de considerações racionais sobre o mercado de trabalho. É possível que sua vocação de anestesista tenha nascido de suas experiências esquecidas de sofrimento. Aí ele sentiu que seu destino era lutar contra a dor.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA
– O Anestesista”

** Passeando pelo maravilhoso Blog Poetriz, me deparei com essas maravilhas de texto e compartilho aqui com vocês,visitem o Poetriz.







28
jun
2009
História e Games


História e Games

A geração da década de 1980, cresceu marcada pelo surgimento dos games eletrônicos. A partir daí, os games foram adquirindo uma sofisticação e grau de detalhamento tão grandes, que passaram a se tornar diversão não apenas de crianças e adolescentes, mas também dos adultos, que chegam a despender várias horas na frente da telinha. Este espaço é destinado a discutir e divulgar o uso de jogos eletrônicos nas aulas de História.

Age of Empires

Um game que se tornou famoso nos últimos anos é a coleção Age of Empires, da Ensemble Studios. O jogo segue o estilo Estratégia em Tempo Real (RTS), cuja idéia é desenvolver uma civilização a partir de determinadas épocas históricas. Dessa forma, no Age I, a civilização é construída a partir da pré-história, com a escolha de civilizações da antiguidade oriental e clássica, como fenícios, persas e romanos. O Age II foca em povos que viveram no período conhecido como Idade Média. O Age III, por sua vez, aborda o encontro de civilizações e as trocas culturas efetuadas a partir do século XIV, a partir do que se denomina Idade Moderna. Todos os três títulos possuem traços interessantes de representação histórica nas características de cada civilização.

Por exemplo, os fenícios, na antiguidade, eram conhecidos como grandes navegadores pelo comércio no Mar Mediterrâneo, tendo fundado colônias como Cartago, no norte da África. No Age I, o jogador que escolhe a civilização fenícia recebe bônus de navegação em guerras marítimas e no comércio. Torna-se bem interessante explorar estas características em sala-de-aula.

O jogo adquire contornos ideológicos na sua conjuntura. Como o objetivo é desenvolver a civilização de uma maneira linear, com traços evolutivos (de baixo para cima) e invadir, guerrear e conquistar outras civilizações, fica implícito o caráter imperialista do game. É como se cada sociedade no planeta devesse seguir o mesmo caminho evolutivo, que levaram romanos, ingleses e norte-americanos a ter controle econômico, político e militar sobre boa parte do planeta.

Jogos em Flash

Outros tipos de jogos que estão se popularizando são aqueles produzidos no formato flash. Eles vem adquirindo cada vez mais qualidade gráfica e jogabilidade. A grande vantagem é que não precisa ser instalado para rodar, e pode ser linkado como qualquer outra página na web, de forma que não é necessário um grande processador ou placa de vídeo para jogar, apenas o acesso à internet com uma velocidade de banda razoável, dependendo do jogo.

Alguns destes games são elaborados para fins didáticos, como é o caso de The Mummy Maker (O Embalsamador), da BBC-History. O objetivo deste jogo é organizar o processo de mumificação de um corpo, para que o mesmo possa fazer a travessia ao mundo dos mortos. Trabalha bem o imaginário religioso egípcio e pode ser utilizado pelo professor em uma aula sobre cultura e religião no Antigo Egito.

*****http://www.webdigitaleducator.blogspot.com/ Visitem esse maravilhoso Blog do Prof Michel, que é um espaço recheado de cultura, informação e ótimas dicas para o ensino dinâmico de história.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...