9
jan
2009
Poetando com LYA LUFT


Guardei-me para ti como um segredo
Que eu mesma não desvendei:
Há notas nesta guitarra que não toquei,
Há praias na minha ilha que nem andei.
É preciso que me tomes, além do riso e do olhar,
Naquilo que não conheço e adivinhei;
É preciso que me ensines a canção do que serei
E me cries com teu gesto
Que nem sonhei.

“Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, mas alguma vez aquieta  a ansiedade tem pés ligeiros, mas alguma vez resolve sentar-se à beira dessas águas. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um começo de sabedoria, e dói. Dói controlar o pensamento, dói abafar o sentimento, além de ser doloroso parece pobre, triste e sem sentido. Amar era tão infinitamente melhor; curtir quem hoje se ausenta era tão imensamente mais rico. Não queremos escutar essa lição da vida, amadurecer parece algo sombrio, definitivo e assustador. Mas às vezes aquietar-se e esperar que o amor do outro nos descubra nesta praia isolada é só o que nos resta. Entramos no casulo fabricado com tanta dificuldade, e ficamos quase sem sonhar. Quem nos vê nos julga alheados, quem já não nos escuta pensa que emudecemos para sempre, e a gente mesmo às vezes desconfia de que nunca mais será capaz de nada claro, alegre, feliz. Mas quem nos amou, se talvez nos amar ainda há de saber que se nossa essência é ambigüidade e mutação, este silencio é tanto uma máscara quanto foram, quem sabe, um dia os seus acenos.”


– Lya Luft







8
jan
2009
Povos em UNIDADE através da música


Maravilhoso como a arte, particularmente a música, une as pessoas. Nesse vídeo, vemos vários artistas de rua, cantando , tocando , de várias partes do mundo. Ali, naquele momento particular, não tem melhor nem pior. Simplesmente todos estão em um só ideal: Cantar!!!  Mostrar que, mesmo com dificuldades visuais, dificuldades em não se ter um equipamento adequado, um lugar próprio, eles estão em Unidade:  cantando.  Achei muito lindo esse vídeo para compartilhar com vocês. A música dissipa as diferenças, une corações, soma ideais.  Ali, não vemos ninguém querendo cantar melhor, ou se mostrar, mas há UNIDADE. Que maravilha se vivessemos TODOS em UNIÃO .Vejam com paciencia e depois comentem o que acharam. Beijos

” Oh! Quão bom e quão suave é , viverem unidos os irmão” Salmo 133: 1







7
jan
2009
Viva um dia ensolarado


Tenho saudade dos dias ensolarados, neles a gente pode aquecer o corpo e o coração. O sol ilumina o planeta, e nossas vidas também, precisamos sentir esse calor que tanto bem nos faz.  Adoro a chuva  para refletir, sossegar, amenizar o ritmo do cotidiano, dar uma desacelerada. Mas o sol, ah!! como ele nos alegra. Minha personalidade é ensolarada, gosto da praia, de caminhar na areia, sentindo o mar batendo nos pés, refrescando assim de um dia de verão. Os dias de chuva me deixam triste, intrínsica, feito caramujo dentro de casa, não tenho ânimo para nada. Dormir em dia de chuva? Nossa que delícia!!  Domingo acordei 11 horas, pensei assim: Eu mereço!!!! Ainda teremos alguns dias de chuva, sombrios, escuros, tristes. Mas já, já o sol vem chegando , e com ele toda claridade que lhe é devida.  Então cantaremos, pularemos, celebraremos de alegria!!!! O sol celebra a vida!!! Precisamos de dias de sol.







6
jan
2009
É preciso POETAR


 Ora, há só um modo de escrever a própria essência, é contá-la toda, o bem e o mal.

– Machado de Assis in “Dom Casmurro.

 

img src=”http://tbn0.google.com/images?q=tbn:702ojp5HnTFFtM:http://i146.photobucket.com/albums/r263/egertgalvao/silencio.jpg” width=”150″ height=”113″ />

Os poetas não são azuis nem nada, como pensam alguns supersticiosos, nem sujeitos a ataques súbitos de levitação. O de que eles mais gostam é estar em silêncio – um silêncio que subjaz a quaisquer escapes motorísticos e declamatórios. Um silêncio… Este impoluível silêncio em que escrevo e em que tu me lês.

– Mario Quintana in “A vaca e o hipogrifo”

 

Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser… sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.


– Pablo Neruda

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
É recusar um presente que nos machuca,
É não ver o futuro que nos convida … ”
– Pablo Neruda –

 







6
jan
2009
Ouvindo Augusto Cury


A maior represália contra um inimigo é perdoá-lo. Se o perdoamos, ele morre como inimigo e renasce a nossa paz. O perdão nutre a tolerância e a sabedoria. (Augusto Cury)

Os inimigos que não perdoamos dormirão em nossa cama e perturbarão o nosso sono. (Augusto Cury)

É nas coisas mais simples e anônimas que se encontram os maiores tesouros da emoção. (Augusto Cury)

A fama produz os aplausos, mas não a alegria. Produz o assédio, mas não elimina a solidão. (Augusto Cury)

Nossos maiores problemas não estão nos obstáculos do caminho, mas na escolha da direção errada. (Augusto Cury)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...